1 - 27/05/2019

CONSIDERAÇÕES SOBRE AS MACROTENDÊNCIAS MUNDIAIS E AS PERSPECTIVAS

Constatações e perspectivas para o período até 2030 para o Engenheiro Agrônomo

 

Essas considerações foram desenvolvidas fundamentadas nas informações expostas em palestra proferida em 24 de Agosto de 2018, pelo Gerente do Departamento de Economia, Competitividade e Tecnologia da FIESP, Renato Corona, em nome do Presidente em exercício da FIESP, empresário e líder empresarial, José Ricardo Roriz Coelho, no qual aponta 8 (oito) MACROTENDÊNCIAS MUNDIAIS, que são OPORTUNIDADES muito importantes para as empresas e os profissionais brasileiros.

A partir deste pertinente trabalho desenvolvemos algumas considerações sobre as oito macrotendências e as oportunidades que abrem para os profissionais Engenheiros Agrônomos.

CONSTATAÇÕES E PERSPECTIVAS PARA O PERÍODO ATÉ 2030:

De um modo geral o mundo passa por grandes TRANSFORMAÇÕES que vão do crescimento da renda e das populações à mudança no modo de produzir, consumir, se locomover e se relacionar.

- A América do Norte e a Europa Ocidental apontam para um perfil de baixo crescimento populacional, aumento da renda per capita e maior demanda por bens sofisticados;

- O Leste Asiático (Japão, China, Coréia do Sul, Coréia do Norte, Hong Kong), está em franco crescimento econômico e de renda per capita, dando grande contribuição ao crescimento mundial;

- O Sul da Ásia (Índia, Bangladesh, Butão, Nepal, Sri Lanka e Paquistão), apresenta crescimento populacional, econômico e de renda per capita, também ofertando significativa contribuição para o crescimento mundial;

- O Oriente médio (Afeganistão, Arábia Saudita, catar, Emirados Árabes Unidos, Irã, Iraque, Israel, Jordânia, Kuwait, Líbano, Síria, Turquia, entre outros), desenha crescimento populacional;

- A África Subsaariana (Congo, Burundi, Quênia, Tanzânia, Uganda, Etiópia, Somália, Sudão, Camarões, Nigéria, Gabão, Serra Leoa, Ruanda, Senegal, entre outros), apresenta perspectivas de elevadas taxas de crescimento populacional e econômico e, provavelmente, será o 3º maior crescimento de renda per capita até 2010, com aumento de demanda por bens de consumo e insumos;

- A América Latina indica baixo crescimento populacional e econômico.

MACROTENDÊNCIAS MUNDIAIS:

1ª. Intensificação da demanda por alimentos

- O Engenheiro Agrônomo, por sua formação ampla e eclética e pela experiência e êxito da profissão comprovadas nas últimas 4 décadas, é um profissional indispensável para a produção de alimentos com sustentabilidade, ou seja, com as novas regras e exigências da sociedade contemporânea.

2ª. Aumento da demanda por energia

- Considerando a finitude do petróleo, o Engenheiro Agrônomo também se torna um dos profissionais mais qualificados para a produção de energia renovável ou Biocombustíveis, cuja tecnologia está dominada há décadas.

3ª. Expansão do entretenimento e turismo

- Aqui também há grande oportunidade para o Engenheiro Agrônomo considerando a perspectiva de aumento na demanda pelo turismo alternativo no campo – Ecoturismo ou Turismo Rural.

4ª. Mudança no padrão de produção

- Não se viabiliza mudança de padrão de produção de alimentos, fibras e bioenergia, sem a participação do Engenheiro Agrônomo.

5ª. Urbanização e emergência de megacidades

- A crescente urbanização e formação das megacidades, demandarão serviços no campo de atribuições do Engenheiro Agrônomo como: Paisagismo, Parques, Arborização e Agricultura Urbanas etc.

6ª. Infraestrutura moderna e competitiva

- O investimento em infraestrutura moderna e competitiva também envolverá demandas por produtos no campo de atividades do Engenheiro Agrônomo e entre elas estão fornecimento de madeiras, argilas, bioenergia, fibras, alimentos, entre outros.

7ª. Envelhecimento da população

- Essa macrotendência abre um campo enorme para o Engenheiro Agrônomo na produção de alimentos especiais ou bioalimentos, na produção de fibras (algodão, celulose etc), e bioenergia.

8ª Aumento das tensões geopolíticas

- Conforme diz o ex-Ministro da Agricultura, Engenheiro Agrônomo Roberto Rodrigues: “AGRO É PAZ - Barriga cheia não gera guerra” e, para encher a barriga é preciso alimento, cuja expertise de produção é do Engenheiro Agrônomo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Considerando as MACROTENDÊNCIAS identificadas pelo autor do trabalho para a FIESP/CIESP, José Ricardo Roriz Coelho, a perspectiva de futuro para o Engenheiro Agrônomo é, inquestionavelmente, muito promissora, pois há potencial real de demanda por profissionais que possuem as atribuições típicas da Classe Agronômica em todas as 8 (oito) MACROTENDÊNCIAS identificadas no trabalho de Roriz.

O que o Engenheiro Agrônomo precisa é se qualificar e se diferenciar profissionalmente (línguas, tecnologia da informação, gestão, empreendedorismo, proatividade etc), para ser protagonista na arena de evolução do mundo ao longo da próxima década.


Engenheiro Agrônomo José Adilson de Oliveira
Crea-MG 010039/D e visto Crea-ES 810095